quinta-feira, 15 de setembro de 2016

A Escola e o primeiro dia de aulas a sério


Hoje a minha princesa começa mais uma etapa da vida dela, entra para o primeiro ano, a aprendizagem da vida começa agora.

Ainda cheia de sono com uma mochila quase maior que ela, toda arranjadinha disse que queria ir a pé, o pai foi leva-la.

Arranjamos o estojo dos lápis, canetas borrachas etiquetando tudo com o nome dela,
À minha princesa quero que a vida lhe sorria sempre, que o percurso seja feito com alegria de aprender a ler e a descobrir um novo mundo.



terça-feira, 6 de setembro de 2016

O Avô Miguel



Homenagem a um homem bom

Muito distinto e bondoso, conheci-o no Bairro de S. Pedro em Nova Lisboa,  Huambo, Angola, trabalhava nos caminhos de Ferro de Benguela.

Foi educado num colégio de padres, em Malanje,  com a minha pouca idade depreendi que era alguém especial, tratava-me com carinho e dava-me muita atenção.

O Avô Miguel casou com a avó Lurdes, depois de um longo namoro.

Estou a falar do avô Miguel porque merece que seja recordado pelos atos de altruísmo que teve ao longo da vida

1 deles ficou bem registado na minha memória

Como todos nós sabemos a vida dá muitas voltas a avó Lurdes veio de Teixeira de Sousa devido á separação com a avô António Santos, não sei o que esteve na origem, ela apareceu em Nova lisboa e tornou-se  amiga da nossa família e como já mencionei num tema antes eu era a sua confidente ou escriba porque tinha que lhe ler as cartas e depois responder  às muitas que ela recebia dos vários pontos de Angola.


voltando ao avô Miguel foi sempre um homem com carácter e a avó Lurdes também, entretanto chegou a família da avó Lurdes vinda do leste de Angola,  duas meninas as netas Bela e Nela e o filho Manuel Jacaré e ficaram todos na casa dela.

Mais tarde o filho arranjou uma senhora e foi viver para outra casa no mesmo bairro entretanto o Pai,  ex-marido da avó Lurdes, acaba por se vir juntar ao filho e às netas dado que a situação em Teixeira de Sousa tinha ficado muito má a nível de negócios e ele também já se sentia cansado e veio para junto do filho Manuel Jacaré.

Acabou por abrir um negócio juntamente com o filho, assim foram decorrendo os anos até que um dia entre alguns mal entendidos o avô Santos adoeceu e não se entendia nem com o filho nem com a nora, nunca soube o que esteve na origem destes desentendimentos, saiu de casa, não sei onde andou até que acabou por ir ter com a Ex-mulher e pedir auxilio.

Não houve oposição nem da parte dela nem do avô Miguel aceitaram os dois que seria melhor o avô António Santos viver ali com eles do que andar ao Deus dará,  só que a vizinhança ficou muito abismada com esta atitude do casal e congeminaram tanto a respeito do assunto, eles não fizeram caso do que podiam dizer os outros tomaram a atitude de ajudar  um ser humano que precisava de auxilio, uma lição para todos nós que não conseguimos pôr de lado os litígios e partir para um caminho melhor.

O Avô António Santos viveu até ao fim dos seus dias rodeado de conforto e carinho das suas netas
Parece uma história infantil mas não é , passou-se há muitos anos em Angola.


sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Marrakeche o outro olhar

Marrakech  uma experiencia única!!
 Hoje dia 4 de marco de 2016 estou em Marrakech uma cidade de Marrocos, vim parar no coracao da medina onde tudo acontece aqui do terraco da riad oiço os sons que vem da praca mais famosa do mundo e em simultaneo oiço o som dos passarinhos que esvoaçam por aqui.

Um ambiente único é assim que vejo e olho tudo ao meu redor

Andar pelas ruas e becos desta cidade e uma autêntica aventura no meio  de motos bicicletas e carros é de fato viver noutra dimensão.
 
Agora estou a ver um passarinho poisado no muro deste terraço...
 
Cheguei no dia 1 e já vi imensas coisas desde o mais pobre ao mais rico, carros topo de gama como carroças puxadas por burros, motos, bicicletas enfim tudo o que tenha rodas circulas por esta cidade cheia de vida de cor e cheiros africanos.
 
O chá faz parte da boa convivência  neste mundo marroquino, em qualquer esquina há um bar onde se partilha a conversa com um bule de chá.

Uma cidade muito movimentada com dois lados da moeda, o lado dos ricos e o lado dos mais pobres.

O do lado dos mais pobres  o povo convive nas esplanadas com o seu velhinho chá de menta e uns carapaus fritos colocados em pires, ficam ali horas a fio a conversar e a negociar, interessante este forma de convivência do povo marroquino.

Nas lojinhas que são uns pequenos cubículos onde vendem tudo e embrulha-se no papel, desde pão que é de boa qualidade às verduras, carne, peixe  os vendedores de todas as  especiarias, pão, fruta, verduras que levam tudo nas carroças e andam pela Medina a vender, o leite também é vendido ao copo no meio da rua, há um cem números de coisas, que nos faz lembrar a pré história isto tudo na Medina, onde existem os muros, dentro dos muros encontramos os labirintos e ruelas, andei por quase todas,  aliás a cidade é muitas vezes denominada “a cidade dos muros”,

O cheiro do Haxixe é algo familiar faz parte da vida daquele povo, os mais jovens procuram sempre uma maneira de tentar arranjar dinheiro através de alguma venda ou troca, a carne é muito cara pelo que a base da alimentação é o peixe, nos  mercados onde o cheiro das verduras convive com o das especiarias  é algo a não perder.

Fiquei alojada numa Riad super simpática  mesmo dentro da Medina o que me deu uma perspetiva  diferente de olhar para toda aquela gente que anda num corropio constante de bicicletas motorizada e carros, homens e mulheres sempre em grande agitação.

Fiz uma pequena excursão a Ourika uma vila perto de Marrakeche, andei nos camelos, uma experiência inexplicável, subir a montanha e ver neve e umas cascatas deslumbrantes, valeu ir a Ourika,  com o orçamento limitado pelo que não pude ir ao deserto, é uma cidade bastante segura, apesar do assédio dos rapazes a minha estadia por lá decorreu com grande normalidade, eles são super simpáticos e aquela impressão que ficamos quando lemos posts sobre os marraquinos é um pouco alterada com a realidade.
 O custo de vida é muito alto, para nós não, mas para o povo que ganha uma miséria é bastante elevado mesmo.

Existem hipermercados mas são apenas frequentados pela classe alta e muitos turistas e residentes franceses.
 Tenho pena que a Medina esteja bastante degradada, não há sinais de recuperação de qualquer edifício, podiam manter tudo como está apenas tentar dar um ar mais cuidado.
 
A praça mais famosa do mundo é algo de mágico, onde o ruido dos batuques e outros instrumentos musicais se misturam com a convivência das pessoas nos bar e souks, toda a gente vende tudo, as quinquilharias, peças lindíssimas de artesanato, tapetes, tecidos de seda lindos é uma mistura de tudo onde se compra de tudo também se quisermos.

O Movimento na praça mais famosa do mundo começa por volta das 16H00 e vai até altas horas da noite em cada cantinho existe algo de novo,  músicos por todo o lado, enfim a alegria dos marroquinos é contagiante.

 

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Pic nic

No sábado passado saí de casa com a minha princesa o objetivo era ir ao parque para que ela pudesse brincar, eram 09H30 e eu disse e se fossemos ao supermercado comprar algumas coisinhas para comer e fazer um pequeno almoço de pic nic?

Ela aceitou entramos no supermercado compramos sumos e folhados de queijo e fiambre, uns croissants pequeninos recheados de chocolate e estava pronto o farnel para o mini pic nic, procuramos um sitio simpático onde pudéssemos comer e senta-mo-nos numa mesa que existia no parque e aquela hora estava vazia, comemos o que tínhamos comprado, e ficamos na conversa, numa mesa mais ao fundo estava um senhor sentado com os olhos postos em nós, a Iris com o sentido de observação que tem chamou-me a atenção.
 - Avó aquele senhor está a olhar muito para nós, será que nos vai fazer alguma coisa,?

....olhei na direção do homem e ele continuou a olhar para nós, e nós acabamos por comer mais depressa para nos livrarmos daquele olhar....

Arrumámos tudo e fomos para o parque,

De repente olhei para o sitio onde tínhamos estado sentadas e estava lá o homem...

O que ele queria era apenas a mesa, provavelmente crê que ela já lhe pertence... enfim coisas que acontecem...
Passado mais alguns momentos vejo mais quatro homens a jogar às cartas... entendi que aquelas mesas tem dono e só mesmo pela manhã é que estão vagas porque depois são ocupadas por muitos e muitos homens para jogarem às cartas ou seja é um casino a céu aberto!!

domingo, 17 de julho de 2016

Chapeuzinho Vermelho

 


Era uma vez uma menina que se chamava Chapeuzinho vermelho, brincava muito na floresta
um dia a mãmã disse para ela ir à casa da sua avozinha levar uns doces porque a avó estava doente.

A mãma disse que ela tivesse cuidado ao andar na floresta porque o lobo mau podia fazer- lhe mal, ela disse à mãe para não se preocupar porque ela tinha muitos amiguinhos na floresta e eles não deixavam o lobo mau fazer-lhe mal.

E lá foi para a floresta cantando

Quando chegou à floresta encontrou o lobo mau


Olá chapeuzinho vermelho
para onde vais?
Vou a casa da minha avó,  levar uns docinhos, então o lobo mau esperto  disse à chapeuzinho para ir por um caminho que ele conhecia e ela chegava num instante à casa da avozinha.
Na verdade o caminho indicado pelo lobo era o mais longo e assim ele iria por um caminho mais curto e chegava à casa da avó da chapeuzinho mais depressa do que ela.

A chapeuzinho quando chegou à casa da avó bateu à porta e a avó disse para ela entrar, ela estranhou a voz tão grossa da avó, e ela disse que se tinha constipado, mas não foi isso que aconteceu o lobo mau como chegou primeiro que a chapeuzinho comeu a avó e vestiu a roupa dela e meteu-se na cama.

Entretanto a chapeuzinho percebe que as orelhas da avó estavam muito grandes bem como a boca e o lobo mau responde que era para ouvir melhor e a boca era para lhe comer, a chapeuzinho fugiu imediatamente da casa da avó e entretanto apareceu um lenhador que deu um tiro no lobo e imediatamente abriu a barriga dele e tirou de lá a avó.

E assim a chapeuzinho aprendeu que devia ter seguido o conselho da mãe



sexta-feira, 25 de março de 2016

Dia do Pai

Dia 19 de Março é um dia dedicado ao pai, a Iris lembrou-se de dedicar este tema à
 Pepa pig  que vai passear com o papá, o Jorge e a mãma vão ao jardim e fazem um piquenique, onde há muitos bolos sobretudo de chocolate.

A Iris como é habitual passa connosco os fins de semana e hoje sábado dia do Pai está connosco, é tão bom estar com a minha princesa, ela dança, gosta de ouvir histórias da avó Olga, da avó Maria, os personagens são os tios, o pai a tia Susy, que diz ela, mora muito longe bem como o tio Serginho, tento reconstruir as histórias passadas com a minha mãe  que era uma pessoa doce e meiga com todos e em especial com as crianças, não conheceu a avó Olga mas gosta dela é algo de bonito ver que apesar de não ter conhecido a mensagem que lhe passei foi boa!!

Como o dia foi dedicado à Peppa Pig quis tirar fotos aos bonequinhos que os tios lhe enviaram do Canadá


 
 
 

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Revendo Madrid

Em julho de 2015 fui mais uma vez a Madrid, com um grupo familiar de 15 pessoas, foi muito giro sobretudo pela diversidade do grupo, angolanos, brasileiros e portugueses, cada um à sua maneira foi expressando a sua alegria.

Arrancamos por volta das 04H30 da manhã de Lisboa paramos em vários locais para apanhar mais gente, aos poucos o grupo ficou maior e arrancamos em direção a Elvas, cidade com um património histórico enorme, foi uma visita breve dado que o destino era Madrid, já lá tinha estado e conhecia alguns lugares, tomamos um pequeno almoço muito bom numa das estações de serviço, por ali deambulamos um pouco e arrancamos com rumo a Mérida para uma pequena paragem, de seguida paramos em Madrid uma vez que tínhamos que almoçar e já estávamos um pouco atrasados, almoçamos no hotel de nome Allembrada, muito simpático, onde nos serviram uma excelente refeição.

Depois do almoço fomos até ao centro de Madrid, paramos nos locais emblemáticos como é habitual, foi um dia muito bem passado.

Passeando pelos locais mais emblemáticos de Madrid fomos parar à Plaza de Espanha, onde revi novamente o Palácio e tudo o que existe naquele espaço, seguidamente fomos até à Plaza de Touros andamos até à Estação de Atocha, passando por Cibeles e lembrei-me que do lado esquerdo de quem sobe esta avenida, existe o Museu do Jamon onde comi imensas sandes de presunto, eram uma delicia e bem baratas, fiquei surpreendida com o preço.

Chegamos ao hotel  à hora do jantar e logo de seguida fomos dormir uma vez que estávamos cansados da viagem.

No dia seguinte após o almoço seguimos até Toledo uma das cidades históricas de Espanha, adorei, não conhecia e fiquei apaixonada pelo património histórico daquela cidade.